segunda-feira, setembro 15



Jesus vivenciou profundamente sua humanidade, tanto que isto nos dá a garantia de que ele é realmente o Filho de Deus. Não foi se distanciando, mas assumindo plenamente a condição humana, que Jesus nos revelou o caminho da salvação, da libertação verdadeira. O ser humano é um ser social. É a partir da vida em sociedade que garantimos nossa sobrevivência, e a política é o jeito de organizarmos nossa vida em sociedade.
Especialmente em tempos de eleições esse assunto ganha destaque, pois pelo voto escolhemos os representantes que ocuparão instituições públicas para governar ou legislar em nosso nome. No entanto, a política é algo que vai muito além das eleições. Todos os dias são tomadas decisões políticas que interferem diretamente em nossa vida pessoal e social.
Jesus nos ensinou que a vida deve ser colocada sempre em primeiro lugar, e assim os cristãos têm o compromisso de questionar, à luz do anúncio e do testemunho do Evangelho, os valores e o estilo de vida que orientam nossa sociedade. Seguir Jesus significa, muitas vezes, assumir o risco de andar na contramão, quando a sociedade exclui, discrimina e não possibilita vida digna para todas as pessoas. Temos o dever cristão de denunciar toda injustiça e contribuir para a construção de uma sociedade onde reine a justiça e a solidariedade. Isto é ser político e fazer política. Senão, caímos no risco de promovermos uma fé intimista, individualista e que por conseqüência se afasta do verdadeiro caminho de Jesus.
No caso das eleições, nosso compromisso é dobrado, pois além de não ficarmos indiferentes - "em cima do muro", temos que anunciar o quanto é importante um voto consciente, um "voto que não tem preço, mas conseqüências". Por isso são indispensáveis conversas entre amigos, vizinhos, grupos para analisar os partidos e os candidatos, para escolher uma proposta política que esteja de acordo com os interesses e necessidades da população, especialmente dos mais pobres. Isto por que nem todos os projetos políticos são iguais. Uns realmente estão preocupados com o Bem Comum, com a construção de uma sociedade boa para todos viverem, já outros querem manter as coisas como estão, garantindo privilégios e fazendo com que a maioria do povo fique excluído e não possa aproveitar dos bens que eles também ajudam a construir.
Assumir este tipo de comprometimento que torna a fé viva e atuante não é fácil, e nem todas as pessoas estão dispostas a assumi-lo. Mas disto depende nossa opção em seguir Jesus. Não é possível ser cristão de verdade, sem assumir o nosso papel político na sociedade.


Neste tempo de eleições municipais:
- Escolha bem os seus candidatos ou candidatas;
- Não venda seu voto em troca de favores, dinheiro ou outros bens - candidato que tem esta prática é corrupto, infringe a lei e precisa ser denunciado e punido.

- Ou nós nos envolvemos na política e ajudamos a decidir os destinos de nossa cidade, ou outros se envolvem e decidem por nós.


Políticas Públicas Sociais
"A promessa de um novo céu e uma nova terra só tem sentido quando sua construção se inicia aqui, com a prática da justiça e da misericórdia. Assim, não é possível nos declararmos cristãos quando a vida de um irmão, que é a vida de todos, está sendo negada e desvalorizada".

Começando a Refletir
Nas últimas décadas tem havido ampla discussão sobre as políticas sociais públicas, especialmente os aspectos relacionados à ordem econômica, social e política. Cotidianamente estamos em contato com as políticas sociais. Muitos são os programas e projetos destinados à saúde, habitação, assistência social, educação, dentre outras.

Você sabe o que são Políticas Sociais? Como elas surgem? A política pública tem sido criada como resposta do Estado às demandas que emergem da sociedade. Neste sentido, é importante lembrar que o Estado é criado pela sociedade. Se a sociedade participa e se mobiliza, garante a realização de seus projetos.
A política pública refere-se ao conjunto de diretrizes e práticas que são direcionadas à população, por meio de serviços e benefícios propiciados pelos programas e projetos sociais. Concretiza portanto os direitos sociais declarados e garantidos em lei.
Por força e mobilização da sociedade, a Constituição Federal de 1988 aprovou importantes conquistas no campo dos direitos sociais. Assegurou a participação direta da sociedade na discussão, elaboração e controle social das políticas públicas, o que se dá principalmente nos Conselhos de Direitos. Não basta garantir direitos em lei. É necessário estar permanentemente mobilizado, exercer o controle social para fazer valer os direitos conquistados.
Estado e Sociedade têm responsabilidade na formulação, controle e execução das políticas Sociais

Um comentário:

Luis Gustavo disse...

Boa Tarde população estamos chegando aos ultimos dias para mais uma eleição,temos que tomar cuidade por que 4 anos faz muita diferença para uma cidade